Você sabe a origem do concreto armado?

Você sabe a origem do concreto armado?

O concreto armado é uma solução durável e econômica que, embora não seja a única opção, é a técnica mais utilizada em todo o mundo para construção de estruturas. Ele consiste em uma estrutura de concreto que possui em seu interior armações feitas com barras de aço, sendo necessárias para atender à deficiência do concreto em resistir a esforço de tração, tornando-se imprescindíveis na execução de peças como vigas e lajes, por exemplo. O projeto das estruturas de concreto armado é feito por engenheiros especializados, também conhecidos como calculistas. Eles determinam a resistência do concreto, a bitola do aço, o espaçamento entre as barras, entre outros.

¹Nas construções da Antiguidade, os materiais estruturais mais empregados foram, nesta ordem: a pedra e a madeira e, mais tarde, as ligas metálicas.

O emprego da pedra e da madeira data de pelo menos, três mil anos e o das ligas, principalmente o ferro fundido, vem de alguns séculos.

Os primeiros materiais utilizados nas estruturas apresentavam como principais características:

1- Pedra

Resistência elevada à compressão e baixa à tração; alta durabilidade; dificuldades de transporte e moldagem.

2- Madeira

Durabilidade e resistências variáveis em função de vários fatores, como o tipo e a direção de aplicação das cargas em relação às fibras, proteção a condições ambientais adversas, etc. Em geral, parte das madeiras tem resistências à compressão e à tração deficientes para fins estruturais e a maioria daquelas com resistência satisfatória exige custos elevados para sua manutenção. Há que se ressaltar, ainda, as limitações impostas por questões ecológicas e a necessidade de mão de obra muito especializada.

3- Ligas metálicas

Resistências elevadas à tração e à compressão, mas com problemas sérios de durabilidade em virtude da corrosão, com exigência de proteção em face de condições ambientais ou de utilização adversas. Das ligas mais comuns, inicialmente, a de maior emprego foi o ferro fundido. Com o aperfeiçoamento da tecnologia e dos processos industriais da laminação de perfis, o aço sucedeu o ferro fundido, destacando-se como material estrutural de grande viabilidade, principalmente a partir da metade do século XIX, com a Revolução Industrial, com uma enorme difusão de seu uso nos Estados Unidos.

Um grande avanço ocorreu com o desenvolvimento dos chamados materiais aglomerantes, que endurecem em contato com a água, e tornaram possível a fabricação de uma pedra artificial, denominada concreto ou betão.

Com a finalidade de aumentar o volume das peças estruturais, bem como a estabilidade físico-química, e reduzir custos, adicionam-se aos aglomerantes materiais inertes, denominados agregados miúdos e graúdos.

Os romanos já utilizavam um tipo de concreto, tendo como aglomerantes a cal e a pozolana, de extração natural ou como subprodutos de outros materiais. As primeiras regras de dosagem para o concreto são atribuídas a Leonardo da Vinci, mas seu uso se propagou, principalmente, a partir do estabelecimento de um processo de fabricação industrial do cimento Portland, por Joseph Apsdin, na Inglaterra, em 1824, que passou a ser reproduzido em todo o mundo.

Desde seus primórdios, o concreto foi ampliando o seu emprego na construção. No entanto, era necessário encontrar uma solução para a sua resistência limitada à tração, particularmente nas peças submetidas à flexão. Daí surgiu o concreto armado, da busca de material estrutural que associasse à pedra artificial um componente com resistência satisfatória à tração, e denominado armadura.

¹Informação extraída do livro Estruturas de Concreto Armado, Elsevier