O mundo está morrendo aos poucos

O mundo está morrendo aos poucos

‘’Meio Ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as formas.’’ 

– Ministério do Meio Ambiente, Brasil¹

 

Atualmente existe uma grande preocupação em torno do meio ambiente e dos impactos negativos da ação do homem sobre ele. A destruição constante de habitat e a poluição de grandes áreas, por exemplo, são alguns dos pontos que exercem maior influência na vida como conhecemos hoje.

Pesquisas recentes já comprovam que o planeta terra está morrendo. Até pouco tempo acreditávamos que as fontes naturais que abastecem o planeta – e consequentemente nos mantém vivos – como a água, combustíveis fósseis, entre outros, eram inesgotáveis. Após a evolução das pesquisas e aprimoramento dos estudos acerca do planeta, biodiversidade e análises criteriosas sobre o meio ambiente, essas ideias de inesgotabilidade foram refutadas, dando espaço para um misto de incertezas e preocupação.

Se antes a ideia de que o mundo iria se esgotar era algo imaginável porém impreciso, agora já não é mais tão distante. Pesquisadores do Centro Internacional de Investigações Radioastronômicas (ICRAR), conseguiram realizar medições mais precisas de energia jamais realizadas até agora em uma ampla região do espaço, e constataram que a energia produzida atualmente por 200 mil galáxias é duas vezes menor que há dois bilhões de anos, e não deixa de diminuir.

Foram utilizados no estudo sete dos telescópios mais potentes do mundo para observar durante oito anos galáxias de onda diferentes – como as infravermelhas ou as ultravioletas -, no âmbito do estudo Gama. Sendo resultado da colaboração de centenas de cientistas de 30 universidades australianas, europeias e norte-americanas.

IMPORTÂNCIA DA ATMOSFERA PARA A VIDA TERRESTRE

A atmosfera, entre outros, protege os organismos da exposição excessiva à radiação ultravioleta, contém os gases necessários para a ocorrência dos processos vitais da respiração, transpiração e fotossíntese, fornecendo água e oxigênio para a garantia de vida na forma que conhecemos.

A atmosfera é uma mistura de gases e partículas em suspensão (aerossóis), que envolve o planeta. Além do vapor d’água, compões a atmosfera: nitrogênio (aproximadamente 78%), oxigênio (mais de 20%), argônio, dióxido de carbono, neônio, hélio, metano, criptônio, óxido nitroso, hidrogênio, ozônio, xenônio. Comparada ao diâmetro da Terra, pode-se considerar que é uma camada fina, da ordem das dezenas de quilômetros. Os gases exercem diferentes pressões na mistura. A pressão do vapor define a umidade relativa do ar, elemento importante na formação das precipitações e, no estudo e cálculo da evaporação, ambos fundamentais no estudo da hidrologia. O ar é compreensível, ou seja, seu volume e densidade (massa dividido por volume) são variáveis. A força da gravidade comprime a atmosfera em torno da Terra sendo sua densidade máxima próxima a superfície. A atmosfera pode ser vista do espaço. O vento é uma das evidências da circulação atmosférica e movimentação das massas de ar.²

DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

Em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Mundial do Meio Ambiente, que passou a ser comemorado todo dia 05 de junho. Essa data, que foi escolhida para coincidir com a data de realização dessa conferência, tem como objetivo principal chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis.

O Brasil passou por mudanças importante na década de 1980, após a promulgação da Lei n°6.938 em 31 de agosto de 1981 que dispõe sobre Política Nacional do Meio Ambiente. Inicialmente, na Conferência das Nações Unidas em 1972, a posição do país foi a de priorizar o desenvolvimento e resolver os problemas ambientais depois.

Atualmente governos e grandes empresas já tem uma consciência de que se nada for feito, o consumo exagerado dos recursos e a perda constante de biodiversidade poderão alterar consideravelmente o modo como vivemos atualmente, comprometendo, inclusive, nossa sobrevivência. Mas ainda estamos caminhando em passos curtos em relação à urgência que o caso pede.


¹² Trechos retirados do livro Hidrologia: Engenharia e Meio Ambiente