Mais uma extinção à vista!

Mais uma extinção à vista!

Em 2015 a venda de computadores em todo o mundo caiu cerca de 10,4%, comparado à 2014, segundo informações da consultoria IDC. O mercado de PCs ficou abaixo de 300 milhões de aparelhos vendidos pela primeira vez desde 2008, ao todo foram 277,5 milhões de unidades comercializadas no ano passado, o maior recuo da história.

Perguntado sobre o caso, Raul Wazlawick, autor de diversos livros publicados pela Elsevier, como o: Análise e design orientados a objetos para sistema de informação 3ED, Metodologia de pesquisa para ciência da computação 2ED, Engenharia de software e Análise e projeto de sistemas de informação orientados a objetos 2ED, dá o seu parecer:

‘’Os dinossauros não estão extintos; eles evoluíram para se tornar aves. Assim também o PC (personal computer), símbolo de uma era, parece estar à beira da extinção, mas, na verdade, está evoluindo para algo diferente. A indústria da informática sempre foi de altos e baixos e, muitas vezes, tecnologias que parecia que tinham vindo para ficar simplesmente desaparecem nas brumas da história em função de tecnologias melhores que as substituíram. Assim foi com os CD-ROM, os PDA, os aparelhos de fax, os scanners de mão e até os telefones celulares originais sem características de smartphone; ninguém mais hoje em dia, a não ser em pequenos nichos especializados, pensa em comprar um destes aparelhos. Chegou finalmente a vez do PC. Lançado pela IBM em 1981 e altamente aguardado pelas pessoas que já haviam sentido o gostinho do computador pessoal desde meados dos anos 1970, o PC só viu suas vendas aumentarem até recentemente. E nem foi a IBM que capitalizou a maior parte dessas vendas. Como o PC foi totalmente construído com peças que podiam ser compradas em lojas, a indústria de clones de PC acabou sendo muito mais forte do que a própria IBM, que lançou o padrão. A IBM acabou desistindo desse mercado em 2004 quando vendeu todo o seu negócio de computadores pessoais para a Lenovo, hoje a dona da maior fatia de mercado de PCs. E agora parece que a própria ideia de PC está para seguir o mesmo caminho das tecnologias que quase desapareceram. Com a possibilidade de comprar notebooks, tablets e smartphones com os mesmos aplicativos de um PC e muito mais mobilidade, a maioria das pessoas comuns está optando pelas novas tecnologias. Segundo o Gartner Group, as vendas de PCs caíram quase 10% em 2015 e devem continuar caindo. É provável que em breve apenas alguns setores profissionais continuem comprando esse tipo de equipamento enquanto o resto de nós continuará comprando equipamentos com a mesma essência, mas em outra forma, trocando nossos velhos “dinossauros” por “aves”, menores, mais leves, mais móveis e mais evoluídas’’.