Jogo ‘Pokémon Go’ pode servir como ferramenta de marketing no varejo

Jogo ‘Pokémon Go’ pode servir como ferramenta de marketing no varejo

Com certeza ”Pokémon Go” é muito mais do que um simples jogo virtual. Segundo matéria publicada no site de notícias de tecnologia Gizmodo, um estudante na Austrália descobriu um código de programação dentro do jogo ”Pokémon Go” que indicava sistemas de patrocínios dentro da plataforma. Citando, inclusive, o nome da rede de fast food McDonalds – que não quis comentar o assunto ou qualquer de seus planos de marketing.

O jogo de realidade aumentada da Nintendo, chegou ao topo nas lojas de aplicativos da Apple e Android em tempo recorde, alcançando o número de mais de 65 milhões de usuários nos Estados Unidos em apenas sete dias após seu lançamento. O jogo conta com a facilidade de ser uma plataforma social geolocalizadora, o que atrai uma quantidade enorme de pessoas de uma só vez, para onde ele direcioná-los. ”Pokémon Go” parece pronto para desafiar empresas virtuais especializadas em aumentar o fluxo de consumidores em pequenos negócios, e pode acabar tendo um papel revolucionário no marketing de grandes marcas.

As pequenas lojas já têm investido na plataforma e estão propagando ser “PokeStops” – um lugar onde os jogadores podem pegar novas pokébolas e aumentar o seu nível de poder dentro do aplicativo – para atrair mais clientes. Através do jogo esses pequenos empreendedores veem a facilidade de passar por cima de um monte de canais digitais, e com um investimento consideravelmente menor, ter um retorno tão satisfatório ou até maior, do que se teria investindo em uma empresa de marketing especializada (levando em consideração o fator custo x benefício).

NOVA FORMA DE VAREJO

¹O varejo que vem surgindo na Nova Economia, chamando de multivarejo, é caracterizado pelos seguintes elementos: multicabal; multimobilidade; multivarejo global; multiparcerias; multiexperiência; multiunicidade e multitalento.

Das características trazidas pelo varejo na Nova Economia, é possível observar as seguintes ocorrências: forte crescimento do comercio eletrônico; microssegmentação; maior privacidade do consumidor; transparência total; megavarejistas globalizados; neofrugalismo; responsabilidade social e sustentabilidade; gestão; centricidade; formação de redes de valor flexíveis; novas formas de comunicação; mudanças nos formatos das lojas; crescimento das mascas próprias; crescimento do marketing direto; crescimento do trading marketing.

As previsões indicam que entre os passos específicos que os varejistas deverão dar para sobreviver ou ganhar participação de mercado nesse novo ambiente estão: desenhar uma proposta de marca diferenciada e profundamente focada; explorar novas ferramentas, técnicas e fontes de dados para aprofundar conhecimentos sobe os consumidores; otimizar as atividades principais através de uma inteligência de negócios sistêmica; e trabalhar as limitações internas, notadamente no que diz respeito a pessoas, sistemas e tecnologia.

Trecho retirado do livro Administração de Varejo, Elsevier

Imagem: Google