Escoliose é mais comum do que parece, cerca de 3% da população tem a deformidade

Escoliose é mais comum do que parece, cerca de 3% da população tem a deformidade

Muitas vezes, a escoliose não é tão perceptível a olhares menos atentos, tornando-se notável, apenas, quando a curva progride significativamente. Médicos geralmente realizam exames de escoliose dentro dos exames de rotina, já que muitas vezes a deformidade é silenciosa e pode não manifestar sintomas. Os sinais da escoliose podem não ser tão evidentes, porém a doença é mais comum do que se imagina: chega a estar presente em até 3% da população em geral.

As escolioses (do grego skolios: sinuoso) idiopáticas ou essenciais são deformações pluridimensionais da coluna vertebral, apresentando uma rotação das apófises espinhosas para a concavidade, seja qual for o número, a localização e o grau de suas curvas. Como seu nome indica, sua etiopatogenia é ainda imprecisa. Segundo os estudos mais recentes da Scoliosis Research Society, abrangendo exames de 29.000 crianças, entre 2 e 3% da população apresentam escolioses (consideradas a partir de 11º). As curvas superiores a 40-50º representam 0,2% dos casos. Existem antecedentes familiares em 40% dos casos. Uma ligação genética parece portanto provável, sem que seja ainda possível determinar os genes responsáveis. Elas afetam mais as meninas do que os meninos, numa proporção de 1,5/1 dos casos. Os mais recentes estudos epidemiológicos indicam de 25 a 30% de casos familiares e uma predominância de 70% das meninas. Noventa por cento das escolioses são torácicas direitas; 70% são lombares esquerdas. (Fonte: Deformações Morfológicas da Coluna Vertebral)

¹DECOAPTAÇÃO

A obliquidade dos músculos em diferentes planos do espaço faz com que as retrações musculares, sejam elas macromorfológicas ou microlesionais, se exprimem, na maior parte das vezes, por uma torção articular.

Uma vez identificado o problema, convém proceder manualmente à sua correção sem, por isso, perder a tração. Dado que a retração muscular provoca um achatamento articular, atração passiva deve ser capaz de produzir uma decoaptação.

Mas o alongamento passivo tem o efeito de aumentar a tensão no seio dos músculos estirados. Por isso, essa decoaptação deve preceder o alongamento e ser mantida durante ele. É particularmente indispensável em caso de discopatia, de lesão articular e mesmo no tratamento das escolioses, já que a torção vertebral tem como efeito descentrar o núcleo.

Pontos-chave

A decoaptação articular é condição prévia a qualquer alongamento muscular. Sua manutenção condiciona a eficácia do alongamento. (¹Fonte: RPG Reeducação Postural Global – 1ª edição)

DIA DO FISIOTERAPEUTA

O fisioterapeuta é um profissional que trabalha com o diagnóstico, a prevenção e o tratamento das disfunções cinéticas funcionais do corpo. Este profissional também faz estudos sobre os benefícios que o movimento corporal e as correntes eletromagnéticas podem ter no organismo humano. No Brasil a data é celebrada hoje (13/10) e para a comemoração ser ainda melhor a Elsevier oferece desconto em três de seus títulos ligados à área. Aproveite! É por tempo limitado.

Clique aqui: Deformações Morfológicas da Coluna Vertebral – 1ª edição

Clique aqui: RPG Reeducação Postural Global – 1ª edição

Clique aqui: Cinesiologia do Aparelho Musculoesquelético – 2ª edição