Brasil deve agir com cautela em relação à queda do Dólar

Brasil deve agir com cautela em relação à queda do Dólar

De repente o dólar beirando R$ 3,20 e certo um euforismo e entusiamo por parte de alguns brasileiros, que atribuído o fato à mudança política atual. Porém, nenhuma grande medida foi feita de fato, além do estabelecimento da política do ‘’gasto contido’’, que sempre foi vista com relativa desconfiança, uma vez que, o país estabeleceu o déficit fiscal para este ano em estrondoso R$ 170,0 Bi, mas que ainda não conseguiu adotar nenhuma medida efetiva adicional que permita que se anteveja correção de rumo e recuperação de trajetória. Projeções para 2017 também apontam para um expressivo déficit fiscal.

O cenário externo também encontra-se bastante conturbado com a queda da atividade mundial e a saída do Reino Unido da União Europeia, não havendo ainda um panorama definido de como essas repercussões econômicas e financeiras irão refletir em torno do cenário atual.

O Brasil, ainda emergente e em situação desfavorável não  deve competir diretamente com a Rússia e outros países já desenvolvidos para servir de refúgio para capitais estrangeiros. Na realidade, o Brasil deve se manter alerta e cauteloso, e observar na medida em que for sendo materializada a consequência deste novo cenário europeu, se esses reflexos serão positivos e negativos para o país.

O DÓLAR OPERA EM QUEDA NESTA QUINTA-FEIRA

O dólar está operando, pela terceira sessão seguida, em queda nesta quinta-feira (30/06). Sua cotação já chegou abaixo de R$3,20 no horário de 15h49, renovando com isso, suas mínimas em quase 1 ano, chegando a cair 1,14%. O dólar chegou a R$ 3,1835 na mínima da sessão. Em nota publicada  a clientes do banco Scotiabank, e divulgada pela agência Reuters, os estrategistas do banco dizem que os mercados têm se portado de uma forma mais contida na última sessão do mês, depois dos movimentos fortes nos últimos meses.

Outro fato que tem pesado bastante em relação ao comportamento dos mercados é a forte influência gerada pela saída do Reino Unido da União Europeia, na semana passada. Gerando forte impacto na sexta-feira e na segunda-feira, sendo estabilizado nos dois pregões seguintes. Já no Brasil, investidores também disputavam antes da formação da Ptax de junho. É comum que operadores costumem brigar por cotações nos últimos pregões do mês para movimentar a taxa aos patamares favoráveis a suas posições cambiais.

O que também tem contribuído para manter o dólar em patamares baixos, é a inação do BC diante do recuo da moeda norte-americana, aproximando-se da casa dos R$3,20. Grande parte dos operadores esperava que a autoridade monetária tivesse agido para amortecer a queda do dólar, com medo de impactos sobre as exportações.

ENTENDA MAIS SOBRE ECONOMIA

Para compreender o que tem acontecido com a economia atual brasileira e do mundo, os princípios básicos da área devem ser estudados. Confira um trecho sobre este tema do livro Introdução à Economia, da Elsevier.

‘’A economia é a ciência que estuda como os recursos escassos das sociedades são alocados tendo por base as decisões individuais de consumidores, trabalhadores, firmas, etc. No linguajar coloquial, economia é geralmente associada questões monetárias, financeiras, ao déficit público, à balança comercial e à inflação, mas esses temas são apenas a pontinha do iceberg. O bom domínio de um conjunto de princípios que estão na arte submersa do iceberg pode nos ajudar a entender muitos outros fenômenos além dos comumente encontrados nos cadernos de economia dos jornais.

No seu âmago, economia é a ciência que analisa as escolhas individuais e suas interações. A base da análise econômica é a microeconomia. Racionando a partir das escolhas individuais efetuadas por empresas, consumidores, trabalhadores, etc. a análise microeconômica nos ensina como são determinados:

  • Os preços de tudo que é transacionado na economia;
  • Os salários, que são os preços dos serviços prestados por quem trabalha;
  • Os empregos e a alocação de recursos na economia;
  • O quanto é produzido é o que é produzido

Entendendo o funcionamento da economia, somos capazes de julgar se o governo deve intervir ou não nas variadas situações, e de compreender os princípios básicos que devem nortear as decisões sobre políticas públicas.’’ (Introdução à Economia, da Elsevier).

Imagem: Google