A União Europeia: A Crise da Grécia

Cristina Soreanu Pecequilo* autora das obras A União Europeia e Os Estados Unidos e o Século XXI, publicadas pela Editora Elsevier, escreve nesse breve artigo um pouco mais sobre a crise que vem assolando a Grécia e outros países da União Europeia. Confira:

A União Europeia vive uma das mais profundas crises econômicas, políticas e sociais da história do bloco, que coloca em xeque a estabilidade de seus membros e seus projetos de aprofundamento da integração. Estas tensões têm como ponto de partida a crise econômica global que se iniciou em 2008 e que na União Europeia atingiu mais profundamente os países periféricos da Zona do Euro, os PIIGS: Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha.

Dentre os PIIGS, é a Grécia o país que mais tem dominado as discussões do bloco no campo econômico, que culminou com o “Não” no referendo de Julho. Convocado pelo Partido Syriza de extrema esquerda liderado pelo Primeiro Ministro Alexis Tsipras, o referendo tinha como objetivo demonstrar a insatisfação da população grega com as condições impostas pelos credores europeus para o pagamento da dívida. Tais condições são impostas ao país desde 2008 tem como base políticas de austeridade, reduzindo gastos sociais, salários e pensões, gastos com educação e saúde, privatizações e aumento de impostos. Como resultado, o desemprego continuou crescendo, sendo mais de 50% entre a população jovem, e a pobreza cresce no país, que não consegue retomar seu crescimento ou estabilidade.

Porém, o voto “Não” não impediu a aplicação destas medidas que a população rejeitou e para poder receber novo pacote de resgate financeiro, a Grécia teve que ceder mais uma vez. Assim, parecem não existir oportunidades de repensar socialmente o ajuste imposto pela União Europeia, e seus principais pilares como o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia (que sofrem elevada influência da Alemanha da Primeira Ministra Angela Merkel). E, na verdade, um ajuste que não se limita à Grécia, mas que pode agravar ainda mais a situação dos demais PIIGS, como Portugal e Espanha que apresentam situações de deterioração econômica-social.

Diante deste quadro, são muitas as questões que se acumulam sem respostas: qual o limite da crise social? Será que não existem mesmo outras alternativas para lidar com a crise? E, mais ainda, haverá o “GREXIT”? Uma saída temporária ou definitiva da Grécia da Zona do Euro? Somente os próximos acontecimentos podem nos ajudar a responder estas perguntas, e o livro União Europeia- Os desafios, a crise e o futuro da integração de Cristina Soreanu Pecequilo traz algumas pistas destes novos caminhos possíveis, e explica as raízes desta instabilidade.

*Cristina Soreanu Pecequilo é professora de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Pesquisadora do CNPq. Pesquisadora Associada do Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais (NERINT/UFRGS) e dos Grupos de Pesquisa Inserção Internacional Brasileira: Projeção Global e Regional da UNIFESP/UFABC e Relações Internacionais do Brasil Contemporâneo da UnB. Mestre e Doutora em Ciência Política pela FFLCH/USP