13 de agosto – Dia do economista

Nos anos 50, a profissão de economista se tornou realidade no país, tornando-se regulamentada em 1951, com a Lei nº1.411. Para Para ser  economista,é necessário ser formado no curso superior de ciências econômicas, bem como obter registro em um dos Conselhos Regionais de Economia.

Como resumo de funções, os economistas controlam gastos, têm que entender bem os fluxos financeiros, antecipar como serão as tendências mercadológicas, e também gerir investimentos de maneira precisa. Se para a maioria da população já é difícil economizar e controlar os gastos básicos, imagine ter que compreender recursos existentes e a partir daí dividir o orçamento entre a produção e distribuição de bens de consumo? Essa é basicamente a função de um economista.

Esses profissionais que trabalham com o comportamento de pessoas ou instituições e os fenômenos econômicos podem atuar nos mais diversos campos: prestar consultorias em empresas, principalmente as que atuam no ramo bancário ou de finanças, lecionar, no setor público, além de possuírem a capacidade de desenvolver estudos com a formação de preços de venda, rentabilidade, estratégias e muito mais.

Livros de cabeceira para qualquer economista

Como o profissional de economia necessita estar sempre atualizado em relação ao mercado, a fonte de onde ele retira suas pesquisas e análises também deve ser. A Elsevier conta com um catálogo vasto e atualizado na área de Economia, escrito por autores de renome e atuantes no mercado. Alguns dos títulos recentes de economia podem ser conferidos aqui: A ordem do progresso – Edição atualizada, A via democrática, Brasil – A turbulenta ascensão de um país, Microeconomia, 8ª edição, Economia monetária e financeira 3ªED.

Leitores desse segmento poderão desfrutar agora, de mais uma obra sobre o tema: Capitalismo modo de usar. O livro que foi lançado recentemente terá uma noite de  autógrafos no dia 17 de agosto de 2015, e é de autoria de Fábio Giambiagi (economista, autor/organizador de mais de 25 livros sobre Economia Brasileira), e publicado pela editora Elsevier. A obra é uma análise realizada por Giambiagi, diante do atoleiro político e econômico no qual o Brasil se encontra nos últimos anos, e mostra como a luta ideológica contra o capitalismo alimenta o subdesenvolvimento do Brasil  A superação do preconceito contra o sistema capitalista é um imperativo  para o desenvolvimento do Brasil”, afirma o autor.

O ponto essencial do livro Capitalismo modo de usar é mostrar que para que uma economia tenha êxito, no mundo moderno, cabe aos governos, um papel crucial na regulação e na coordenação de certas políticas, mas a chave do dinamismo é a competição travada no campo do setor privado.